Postagens populares

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

INCLUSÃO ESCOLAR DE ALUNOS COM TGD

DESENVOLVIMENTO HUMANO(...) as vivências significativas proporcionadas pelo ambiente, seja nas relações interpessoais, nas atividades escolares ou nos aprendizados de diversas ordens, produzem repercussões na circuitação cerebral que poderá, como conseqüência, modelar-se ou remodelar-se dentro de certos limites, respeitando a plasticidade do sistema nervoso. (Saul Cypel, 2006, p. 381)
Atualmente se entende que o cérebro não só é capaz de produzir novos neurônios, mas também de responder à estimulação do meio ambiente, como um aprendizado que tem a ver com modificações ligadas à experiência, ou seja, modificações que são a expressão da plasticidade.
Essa relação experiência/estimulação constitui o principal pilar sobre o qual a reabilitação se insere, e dessa forma procura proporcionar excelentes exemplos de plasticidade cerebral, desde que as janelas de oportunidades sejam bem aproveitadas. (Newra Tellechea Rotta, 2006, p. 466)
A ESCOLA NA VIDA DAS CRIANÇAS
Diversificação das experiências sociais;
Ampliação do apelo do meio para diversificação de respostas;
Motivação para experimentar e participar.
DIVERSIDADE DE ESPERIENCIAS SOCIAIS
Grupo social mais amplo do que a família – novos desafios;
Aprendizado de novas regras e papéis sociais – competência para ambientes sociais;
Ampliação do repertório de comportamento, afetividade e vínculos;
Ampliação da competência para iniciar convívio, mantê-lo, desenvolver pertencimento e aceitação no grupo e do grupo.
Ampliação de repertório de experiências que permitem modular, antecipar e decidir frente à exigências do meio social diversas;
Ampliação de experiências que permitem aprimorar a compreensão na comunicação e na inferência de estados mentais e comportamento;
Oportunidade de experiências significativas formando “âncoras” para o conhecimento formal escolar.
AMPLIAÇÃO DO APELO DO MEIO PARA A DIVERSIDADE DE RESPOSTAS
Diferentes exigências do meio escolar (social mais amplo) em relação ao meio familiar ampliando competências cognitivas;
 O meio social escolar permite aquisição de competências válidas para outros contextos (generalização).
MOTIVAÇÃO PARA EXPERIMENTAR E PARTICIPAR
Chama pela compreensão do desenvolvimento humano sem dicotomias;
O aprendizado de conteúdos escolares formais não se estrutura pelo simples treino de procedimentos. Ele “conversa” com as competências sociais, com a compreensão do mundo, com o “doce e o amargo” das experiências.
A CRIANÇA COM TGD NA ESCOLA A abordagem da criança e não do autismo;
Intenção pedagógica X espontaneidade;
A rotina escolar e o novo de cada dia;
O visível desenvolvimento de competências nos campos de desafio impostos pelo TGD no âmbito de atuação do meio escolar.
A DEMANDA PRO AEE
A identificação do problema de acessibilidade a ser resolvido do ponto de vista do AEE;
A atuação diferenciada do AEE para alunos com TGD. Por quê?
Evitar equívocos de compreensão do AEE para os alunos com TGD: foco do AEE (acessibilidade ao currículo e não o autismo) comunicação, modo de atuação.

Patrícia Cunha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário